6ª Reunião da Câmara de Ouro Preto 2024
Clique play e assista

Ataques em escolas: motivações vão além de transtornos mentais

“Rotular o transtorno mental como premissa para atos brutais é estigmatizar ainda mais a doença”, diz Danielle Admoni, Psiquiatra da Infância e Adolescência pela UNIFESP.

Home » Ataques em escolas: motivações vão além de transtornos mentais
Por JornalVozAtiva.com Publicado em 30/10/2023, 11:07 - Atualizado em 30/10/2023, 11:07
Imagem Ilustrativa. Crédito — Reprodução / Freepik. Siga no Google News

Novamente, uma escola brasileira foi alvo de ataque. Desta vez, o crime ocorreu na Escola Estadual Sapopemba, em São Paulo, onde uma aluna foi morta e três ficaram feridas após um adolescente de 15 anos, também aluno, ter disparado tiros contra as colegas.

Segundo dados da UNICAMP e UNESP, este é o 36º ataque a escolas no país, desde 2001, sendo que quase 60% deles ocorreram após a pandemia. De fevereiro do ano passado até agora, foram 21 ocorrências, com 11 mortes registradas, o que significa 58,3% de todos os ataques em escolas no Brasil.

Transtornos mentais justificam ataques?

Pesquisadores da Universidade de Columbia analisaram 82 ataques ocorridos em instituições de ensino nos Estados Unidos, e descobriram que os 82 ataques foram cometidos por jovens do sexo masculino, sendo que mais de 77% deles não tinham diagnóstico de transtornos mentais. O estudo foi publicado no Journal of Forensic Sciences

Outras pesquisas internacionais também se basearam nos ataques em escolas de vários países (incluindo o Brasil), a exemplo dos estudos realizados pelo pesquisador e escritor americano, Peter Langman, especialista na área. As pesquisas revelaram que, na maioria dos casos, não se constatou a presença de psicopatia nestes jovens.

Isso levou os pesquisadores a acreditarem que experiências traumáticas ou negativas ao longo da vida podem ser responsáveis pelo desenvolvimento de comportamentos agressivos em pessoas que nunca apresentaram sinais de doença mental.

“Rotular o transtorno mental como premissa para atos brutais é estigmatizar ainda mais a doença. Além de equivocada, essa visão distorce a realidade e impede a compreensão de que há uma série de variáveis por trás desses ataques, como a inserção em um ambiente de violência, intolerância e rejeição”, afirma Danielle H. Admoni, psiquiatra geral e da Infância e Adolescência; supervisora na residência da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM) e especialista pela ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria).

Entender os jovens requer uma visão holística

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), “o conceito de saúde mental abrange um estado de completo bem-estar físico, mental e social no qual o indivíduo se sente bem consigo mesmo e nas relações com os outros; é capaz de administrar as emoções e a vida como um todo; lida de forma positiva com as adversidades; reconhece seus limites e busca ajuda quando necessário”.

“Ou seja, a saúde mental do jovem pode ser comprometida não apenas por um transtorno, mas por um conjunto de fatores externos que podem gerar sofrimento psíquico e rompantes incontroláveis de raiva, chegando ao ponto de colocar em risco a própria vida e a de outras pessoas”.

Segundo Danielle Admoni, estes fatores incluem violência/abuso familiar, consumo de álcool/drogas, bullying/cyberbullying, homofobia/preconceito, traumas, interação nas redes sociais com grupos radicais, que disseminam discursos de ódio, entre outros pontos negativamente influenciáveis e que demandam uma atenção conjunta.

“Os jovens precisam vencer a incapacidade de verbalizar o que sentem. Assim, será possível prestar ajuda conforme suas necessidades. Por isso, quanto mais falarmos sobre este tema e abrirmos espaço para que eles expressem suas angústias, maiores serão as chances de que nossos jovens aprendam a adotar estratégias saudáveis de enfrentamento e tenham a oportunidade de processar suas emoções, em vez de reprimi-las”, finaliza Danielle Admoni.

Deixar Um Comentário