65ª Reunião Ordinária de 2021 da Câmara de Ouro Preto-MG
Clique play e assista

Cardiologista explica “morte súbita” do jogador Christian Eriksen e como ela foi “abortada”

Para José Nunes de Alencar Neto, o rápido atendimento foi fundamental para que o jogador dinamarquês sobrevivesse

Home » Cardiologista explica “morte súbita” do jogador Christian Eriksen e como ela foi “abortada”
Por JornalVozAtiva.com Publicado em 14/06/2021, 15:51 - Atualizado em 14/06/2021, 15:51
Foto – Reprodução. Crédito – Twitter Dr.José Alencar. Siga no Google News

Tecnicamente, dá para dizer que o jogador dinamarquês Christian Eriksen, de 29 anos, chegou a “morrer” em campo no jogo do último sábado pela Eurocopa, entre Dinamarca e Finlândia. É o que explica o cardiologista e eletrofisiologista José Alencar, autor do livro Manual de Medicina Baseada em Evidências e professor da Sanar. “Ele não teve uma convulsão. O que ocorreu foi uma morte súbita. E, devido ao rápido atendimento, essa morte súbita foi "abortada”, aponta.

Segundo o especialista, a morte súbita é aquela inesperada, que ocorre até 1 hora após o início dos sintomas, e que no caso de Eriksen foi instantâneo. Os números mostram que 13% das pessoas morrem subitamente e 50% das pessoas que morrem do coração estão nessas circunstâncias. No esporte, ocorre 0,5-2,1 morte súbita por 100 mil pessoas/ano, o que aponta que a ocorrência com o jogador da Inter de Milão e da seleção da Dinamarca é bem rara.

Vale destacar ainda a importância dos desfibriladores no atendimento de pessoas que passam pela experiência de Christian. Um estudo de 1989 do Antoni Bayés de Luna, no American Heart Journal, demonstrou que 84% das mortes súbitas ocorrem em ritmos chocáveis. Por isso a importância do uso de desfibriladores externos automáticos (DEAs). Sem o DEA, os ritmos chocáveis são usualmente fatais. “Quanto mais rápido uma pessoa em morte súbita por ritmo chocável recebe a desfibrilação, melhores as suas chances. A cada minuto sem desfibrilação, a chance de sobreviver cai 10%! É a maior emergência de toda a Medicina”, explica o especialista.

José Alencar completa informando que atualmente a taxa de sobrevivência de um episódio de morte súbita é de 7,6% em países desenvolvidos. Em locais onde há DEA e há treinamento em massa da população para oferecer suporte básico de vida (compressões de qualidade e manuseio correto do DEA), a chance é maior. Em resumo, em casos de morte súbita, vale destacar: O paciente deve ser desfibrilado rapidamente (cada minuto sem desfibrilar reduz em 10% sua chance); deve receber compressões eficazes por pessoas treinadas também rapidamente; deve ir a um cardiologista; pode ter que receber um "cardiodesfibrilador implantável", conhecido como CDI.

Confira a sequência de posts em que o médico, professor e autor detalha ainda mais o que aconteceu com o jogador. 

Sobre o livro

Manual de Medicina Baseada em Evidências, de José N. Alencar e colaboradores
Editora Sanar, 1ª Edição (2021)
Para ler um trecho do livro, cliqueaqui.
Para saber como adquirir o livro, cliqueaqui.

Sobre o autor

Foto - Reprodução. Crédito - Arquivo pessoal.

José Nunes de Alencar Neto
Cardiologista. Eletrofisiologista intervencionista pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Hospital de Santa Cruz (Lisboa, Portugal). Assistente do serviço de Pronto Socorro do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. Coordenador da Pós Graduação em Medicina de Emergência da Sanar. 

Deixar Um Comentário