Redes sociais e o mercado de trabalho: qual a relação entre eles?

Início » Anunciantes » Redes sociais e o mercado de trabalho: qual a relação entre eles?
Por Wendel Soares / ACEOP Publicado em 03/10/2019, 13:34 - Atualizado em 03/10/2019, 13:39

As redes sociais e o mercado de trabalho se tornaram aliados no processo de seleção de empregos. Para o bem ou para o mal, o atual cenário exige um cuidado maior na exposição pessoal no meio online.

Neste artigo, vamos falar sobre a importância do mundo virtual no mercado de trabalho, destacando o que deve ou não ser levado em conta pelos recrutadores.

A importância da rede social no mercado de trabalho

Atingir um número cada vez maior de profissionais e atrair talentos são dois dos principais pontos que influenciam empresas a investirem em redes sociais. Atualmente, segundo relatório da Social Media Trends, 92% das empresas possuem redes sociais.

E o que isso significa para quem busca uma vaga?

A resposta é simples. Se a empresa está nas redes sociais, ela também estará de olho no que você faz por lá, quando você se candidata a uma vaga.

Nesse panorama, além de otimizar tempo, a empresa pode saber sobre o funcionário muito mais do que ele diz em uma entrevista. E por isso, é preciso ficar atento à forma como você conduz suas redes sociais.

Não adianta ter a melhor apresentação de currículo, uma entrevista impecável se depois, quando o recrutador checar uma de suas redes sociais, houver postagens que contrarie o perfil apresentado.

Mas o que os recrutadores procuram nas redes sociais

Basicamente, uma rede social apresenta o que o seu dono quer mostrar aos outros. E isto pode diferir da apresentação que é feita na entrevista de trabalho.

Em geral, recrutadores procuram um padrão de comportamento que seja similar ao da empresa, seja em valores ou em conceitos. Eles sempre irão verificar em suas redes sociais:

  • Pessoas que possam dar referências sobre você;
  • Checar o seu histórico profissional;
  • Profissionais com perfil semelhante ao seu;
  • Avaliação do comportamento online (o que você posta, quem você segue, como você escreve, sobre o que opina etc)

A principal referência de um candidato é seu perfil na internet

Foi o tempo em que a empresa contratante pedia para o candidato indicar alguém que desse referências sobre ele. Com o uso das redes sociais, a empresa consegue, diretamente, mapear as conexões de um candidato, fazendo uma busca mais isenta de opiniões.

E por isto, a empresa procura ex funcionários da mesma empresa, chefes e verificam o relacionamento atual do candidato com eles. Aliás, uma dica importante: não importa o motivo de sua saída do antigo emprego, mas nunca exponha nenhuma empresa ou pessoa do trabalho via redes sociais. Além de antiético, pode se tornar um histórico definitivo para futuras contratações.

A reputação de um candidato começa (ou termina) online

Os especialistas confirmam que também virou rotina nos processos seletivos verificar as redes sociais para entender quais assuntos interessam ao candidato.

E se estes assuntos não forem alinhados aos valores da empresa, possivelmente a desclassificação é certo.

Por isso, a recomendação é: deixa os assuntos polêmicos, as palavras de baixo calão ou mesmo opiniões exageradas para tratar entre amigos. Discussões desrespeitosas na internet podem ser decisivas na hora de eliminar um candidato.

Outro ponto importante são as postagens relacionadas à diversão. Apologia a drogas, sexo ou álcool soam destoantes da maior parte das empresas. Cuide da sua imagem.

Ainda que haja liberdade para a pessoa física, é importante estar atento que, em tempos de tecnologia, os consumidores entendem o profissional como extensão da empresa. E irão sempre lembrar disto quando houver uma atitude incorreta.

E não custa lembrar mas preconceito, homofobia, racismo ou qualquer outra forma de discriminação, mesmo que através de uma brincadeira, não são apenas ponto contra como passíveis de punição criminal. Na dúvida, dê uma checada em suas redes sociais e apague já qualquer postagem relacionada a estes temas, que tiverem cunho discriminatório.

Dicas do que não fazer em redes sociais

E para você que chegou até aqui, confira 12 dicas essenciais do que não fazer em redes sociais. Não importa se está procurando uma vaga ou está empregado. Fique atento.

Para mais informações, leia esse artigo de como se candidatar ao primeiro emprego sem experiência.

1 - Superexposição pode significar foco na pessoa, e não no trabalho.

2 - Fotos com trajes íntimos ou situações constrangedoras (bêbado, por exemplo) devem ser compartilhadas apenas com amigos. Evite!

3 - Se expor em discussões ofensivas é ter a imagem vinculada a algo ruim, Nunca se esqueça disso.

4 - Reclamações demais podem apontar um funcionário insatisfeito.

5 - Falar mal de concorrentes pega mal, ainda que intenção seja defender outra empresa.

6- Aquele “consumidor profissional” que reclama de tudo que reflete a vida dele não é bem visto. Se você gosta de opinar em diversos conteúdos, faca crítica positivas quando está satisfeito. Isso mostra parcialidade.

7 - Não escreva o que você não falaria na rua.

8 - O país vive um momento de polarização. A menos que você recuse trabalhar com pessoas que divergem da sua opinião, tome cuidados com tais assuntos.

9 - Cuide da sua segurança. Expor excessivamente tudo o que faz pode ser perigoso.

10 - É inadmissível ser preconceituoso, difamador e caluniador.

11 - Repense as postagens do que está sentindo no momento. Elas podem refletir uma situação passageira, mas mostrar inflexibilidade ou dificuldade em contornar momentos ruins.

12 - Cuidado com comentários sobre política e religião. A defesa de uma crença não pode ignorar um ponto discordante. Respeito é palavra de ordem sempre.

Comentar com o facebook

Deixar Um Comentário

Redes sociais e o mercado de trabalho: qual a relação entre eles?2019-10-03T13:39:41-03:00

Send this to a friend