Políticos mineiros faltaram quase 2 mil vezes entre 2015 e 2018, aponta estudo2018-09-14T12:40:50+00:00

Políticos mineiros faltaram quase 2 mil vezes entre 2015 e 2018, aponta estudo

Estudo realizado pelo Ranking dos Políticos mostra também ao eleitor atuação geral dos congressistas; Leonardo Monteiro (PT) e Aécio Neves (PSDB) são os piores do ranking estadual.

Início » Noticias » Políticos mineiros faltaram quase 2 mil vezes entre 2015 e 2018, aponta estudo
Por João Paulo Silva Publicado em 14/09/2018, 12:40 - Atualizado em 14/09/2018, 12:40

Levantamento exclusivo realizado pela ONG Ranking dos Políticos, que atua na fiscalização da gestão dos parlamentares brasileiros, aponta que os deputados federais e senadores de Minas Gerais, no total, não estiveram presentes em 1.942 sessões do Congresso entre 2015 e 2018. Das faltas, 792 delas não foram justificadas.

O Ranking dos Políticos também mostra os parlamentares que oneraram mais os cofres públicos com cotas e verbas indenizatórias nos quatro anos de mandato. Os deputados Paulinho Abi-Ackel (PSDB) e Leonardo Monteiro (PT) lideram esse quesito no estado com, respectivamente, R$ 1,691 milhão e R$ 1,546 milhão. Somente com combustível e lubrificantes, a soma total dos atuais congressistas mineiros é de R$ 7.087.947,11 até o momento.

Já no âmbito geral – de acordo com as avaliações do Ranking dos Políticos – Minas Gerais conta com nove parlamentares entre os 100 melhores do País, 20 posicionados entre 101º e 300º, além de 27 ocupando as colocações 301º a 594º, representando respectivamente 16%, 36% e 48%. O senador Aécio Neves (PSDB) e o deputado Leonardo Monteiro (PT) figuram entre os piores congressistas no ranking estadual, ocupando respectivamente as colocações 574ª e 578ª.

Sobre o Ranking dos Políticos:

Ranking dos Políticos atua na classificação e compliance do setor público por meio de ferramentas tecnológicas compiladas pelo Portal da Transparência e informações públicas de parlamentares brasileiros. Os critérios utilizados pelo Ranking são absolutamente técnicos, levando em conta fatores como assiduidade, gastos da cota parlamentar, processos judiciais e atuação legislativa. Todas as informações publicadas no Ranking são públicas, disponíveis nos sites oficiais do Senado e da Câmara dos Deputados e dos Tribunais de Justiça.

Comentar com o facebook

Deixar Um Comentário

Send this to a friend