“Falta de planejamento e despreparo: uma temporada para refletir.” na Coluna Glorioso Coelhão

Início » Colunas » Glorioso Coelhão » “Falta de planejamento e despreparo: uma temporada para refletir.” na Coluna Glorioso Coelhão
Por Tino Ansaloni Publicado em 22/10/2016, 11:11 - Atualizado em 22/10/2016, 11:18
Por Heitor Miranda – Estudante no IFMG campus Ouro Preto e Americano Roxo. Após uma boa sequência de resultados, o América voltou a perder jogando fora de casa, contra o Coritiba, no dia 02/10. O América começou o duelo com bastante equilíbrio e mais posse de bola do que o adversário, mas sem conseguir furar o bloqueio do time paranaense. Após 10 minutos de superioridade, o Coritiba passou a atacar mais e em um lance irregular abriu o placar aos 12 minutos do primeiro tempo. Com a desvantagem, o time americano se desestabilizou, mas seguiu tentando com uma postura ofensiva. Buscando a reação no segundo tempo, o técnico Enderson Moreira fez a primeira mudança no Coelho no intervalo ao tirar Nixon para a entrada de Michael. E antes que a mudança pudesse surtir algum efeito, o time sofreu um duro golpe logo aos 3 minutos da segunda etapa. O Coritiba contra atacou e conseguiu ampliar a vantagem em um lance de desatenção da defesa americana. O Coelho foi ao ataque e quase marcou com Michael, quando o atacante americano fez boa jogada e finalizou da entrada da área uma bola que passou muito perto do gol. Aos 13 minutos, o técnico Enderson Moreira promoveu a segunda mudança e colocou Tony no lugar de Danilo. O tempo passava e o time americano encontrava dificuldades em criar oportunidades de gol. E sofrendo com os contra-ataques adversários, o Coelho sofreu o terceiro gol no jogo aos 27 minutos, em um lance rápido do ataque do Coritiba. Sem muito o que fazer e com três gols de desvantagens na partida, o técnico Enderson Moreira fez a última modificação ao colocar em campo Xavier no lugar de Gilson. Com o placar definido, a partida foi encerrada e mais uma derrota para a ruim campanha americana. A diretoria do América resolveu vender o mando de campo da partida contra o Palmeiras para Londrina (Paraná), na Arena do Café. Com a difícil missão de enfrentar o líder e com a torcida em minoria, o time sofreu outra derrota. O time começou muito mal e logo aos 2 minutos, após cobrança de escanteio, Tchê Tchê abriu o placar, Palmeiras 1 a 0. O América sentiu o gol sofrido no início e não conseguia sair da pressão do adversário, Erik quase ampliou a vantagem palmeirense aos 13 minutos. O restante da etapa inicial foi mais cadenciado, com as equipes atacando pouco. O time americano voltou para o segundo tempo com a mesma formação, mas cresceu na partida. Com mais posse de bola, o América avançou suas linhas e obrigou o Palmeiras a se fechar. Logo aos 5 minutos o técnico Enderson Moreira foi obrigado a mudar o time, o zagueiro Roger machucou o nariz após disputa de bola e teve que deixar o campo. Em seu lugar entrou Messias. O América fazia boas jogadas com Gilson, do lado esquerdo, mas não levava muito perigo. Aos 18 minutos, Enderson Moreira mudou o time pela segunda vez ao colocar Osman no lugar de Matheusinho. O tempo passava, a intensidade americana diminuía e observando esse panorama, Enderson Moreira fez sua última intervenção ao colocar Danilo no lugar de Ernandes aos 35 minutos. Mesmo assim, o Coelho não conseguia mais se manter no campo ofensivo. Aos 42, o Palmeiras selou a vitória e o time americano acabou sendo derrotado pelo líder Palmeiras pelo placar de 2 a 0. Quatro dias depois do jogo contra o Palmeiras, o Coelho voltou a BH para enfrentar o Atlético, 13/10, no Mineirão. O primeiro tempo foi muito movimentado. O adversário iniciou com muita pressão, mas o América foi para cima do Atlético, o time americano finalizou pela primeira vez com perigo aos 12 minutos, em chute de Nixon. Aos 14 minutos foi a vez de Osman chutar e, novamente, a bola foi para fora. O Coelho ainda voltou a assustar três minutos depois, com Juninho, bola defendida pelo goleiro Victor. Aos 36 minutos, Otero tabelou com Robinho e cruzou para Fred, dentro da área, sozinho finalizar e abrir o placar para o Atlético. Dez minutos depois, o América teve a oportunidade mais clara do jogo. Nixon deu passe de letra e Osman recebeu completamente livre de frente para o goleiro Victor e mesmo com tempo e liberdade, o meia americano chutou em cima do goleiro adversário, perdendo a chance de empatar a partida. Assimm o América foi para o intervalo em desvantagem. O segundo tempo começou bem menos movimentado. As equipes encontravam dificuldades para furar a defesa adversária. Aos 15 minutos, o técnico Enderson Moreira teve uma grande dor de cabeça. O estreante Messias sentiu dores na perna esquerda e teve que deixar o jogo, Claudinei entrou no meio e Leandro Guerreiro voltou para a função de zagueiro. E aos 19 minutos, o América sofreu outro forte golpe. Após errar na saída de bola, o Atlético contra atacou e o lateral Carlos César marcou o segundo gol do time adversário. Procurando reagir, Enderson Moreira fez a segunda substituição ao colocar o meia Matheusinho no lugar de Nixon, aos 23 minutos. Aos 33 minutos Danilo entrou no lugar de Tony e, aos 38 minutos, o time americano perdeu outra chance incrível. Danilo recebeu dentro da área e se contorceu para fazer um cruzamento para Osman, que cabeceou na trave, mesmo com Victor batido no lance. Na sequência, o Atlético fez o terceiro gol com o atacante Lucas Pratto, em contra ataque. Com a desvantagem de três gols e o resultado praticamente resolvido, o Coelho ainda tentava chegar. O time seguiu perdendo oportunidades criadas e acabou sendo castigado, complicando mais ainda sua situação no Brasileirão. Depois da derrota no clássico, o América foi a São Paulo enfrentar o Corinthians. Jogo válido pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. O América iniciou o jogo sob grande pressão do adversário. O tempo passava e Coelho não conseguia neutralizar as investidas ofensivas do Corinthians, que chegava cada vez mais perto de abrir o placar. Aos 16 minutos, João Ricardo não teve como evitar o gol do adversário. Guilherme recebeu com liberdade dentro da área e tocou para o atacante Romero, que apenas rolou a bola para o fundo do gol. Em desvantagem, o time americano tentou se organizar em campo e equilibrou mais as ações. Entretanto, o América não conseguia assustar a defesa adversária e trocava passes sem muito objetivo. Em tentativa de ataque, a equipe acabou gerando um contra-ataque que se transformou em gol, o time perdeu uma bola dominada no ataque e não conteve o ataque corintiano. Guilherme cruzou e Rodriguinho pegou de primeira, aos 38 minutos, Corinthians 2 a 0. O time americano voltou para o segundo tempo com a mesma formação inicial, mas com postura diferente. Trocando passes e rondando a área adversária, o América conseguiu um bom ataque aos 7 minutos e acabou sendo prejudicado pela arbitragem. Na jogada, Gilson invadiu a área e foi empurrado por Fagner. Porém, o árbitro ignorou o lance claro e não marcou a penalidade favorável ao Coelho. O Coelho criava perigo, mas logo foi abafado pelo Corinthians, que passou a atacar novamente e complicar para o goleiro João Ricardo. O técnico Enderson Moreira fez a primeira substituição com o volante Christian entrando no lugar de Juninho. Depois, Nixon cedeu lugar para Danilo Barcelos e, por último, Sávio entrou no lugar de Gilson. Porém, o panorama não mudou. Assim, o Coelho acabou amargando mais um derrota fora de casa. A péssima sequência de derrotas praticamente acaba de confirmar o rebaixamento do América, só confirmar, pois o campeonato inteiro, por parte do América, foi apático e vergonhoso. Os jogadores não são os principais culpados, e sim a diretoria, os técnicos que passaram, a falta de planejamento e etc. O nosso querido Enderson Moreira também não tem muita culpa, já chegou em terra arrasada sem muito o que fazer. O que nos resta este ano é planejar para o ano que vem, para não repetirmos esta temporada. Acredito que o título estadual por um lado foi ruim, porque iludiu a diretoria e a comissão técnica, que consideraram o elenco americano apto para a permanência na primeira divisão. Sobre a venda do mando de campo, eu concordo. A torcida do América não enche o estádio, causando prejuízo; a campanha péssima trará dívidas, e precisamos de dinheiro; o time tem mínimas chances de permanência na série A, mesmo sabendo que vender o mando não é vender a partida em si; entre outros motivos. Temos que cair na real e ver onde pecamos, para não acontecer novamente. Temos que deixar de ser mais um mero time que sobe e desce de divisão, e voltar a enaltecer a gigante história deste espetacular clube que é o América! Mesmo com as chances que temos de ficar na série A, ainda nos restam 8 partidas para torcer e tentar acabar o campeonato com um resquício de dignidade. Dessa maneira, enfrentaremos o Atlético Paranaense na próxima segunda-feira, 24/10, ás 20h na Arena Independência. Vamos até o fim, com o América até o além!

Comentar com o facebook

Deixar Um Comentário

“Falta de planejamento e despreparo: uma temporada para refletir.” na Coluna Glorioso Coelhão2016-10-22T11:18:24-03:00

Send this to a friend