6ª Reunião da Câmara de Ouro Preto 2024
Clique play e assista

“Viva às Crianças”, leia a crônia da semana de Antoniomar Lima

Home » “Viva às Crianças”, leia a crônia da semana de Antoniomar Lima
Por Antoniomar Lima Publicado em 11/10/2023, 09:27 - Atualizado em 11/10/2023, 09:27
coisas-cotidiano-leia-recomecos-por-antoniomar-lima
Antoniomar Lima é graduado em Letras (licenciatura em Língua Portuguesa) pela UFOP e já publicou dois livros de poesias. Crédito — Arquivo pessoal. Siga no Google News

Não sei quem escreveu essa frase: “A criança no nada vê tudo e o adulto no tudo não vê nada.”

Na minha modesta opinião, o criador da referida frase teve um momento de pura iluminação, pois o que Ela carrega é de tirar o chapéu, isto é, faz com que os adultos parem e reflitam sobre os descuidos que têm tido com as crianças que estão sob a sua tutela.

Os adultos já passaram por essa primavera, na verdade, nesta data, voltam a ser crianças ao verem a alegria das crianças quando estas recebem carinhos dos seus, ou ganham brinquedos, ou divertem-se em algum parquinho.

Todas as fases têm a sua importância, entretanto, comumente os adultos dizem que a melhor fase da existência é a da infância. Fase essa de sonho, de 'enxergar no nada tudo' como reza a frase acima, pois o mundo da criança é de puro encantamento.

E nós que já vivemos essa fase devemos, ou deveríamos entender que, apesar de ser passageira, Ela é extremamente marcante, fascinante para muitas crianças, assim como fora para nós.

O próprio Jesus Cristo em sua palavra (Mateus 19:14) disse: “Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino dos céus pertence aos que são semelhantes a elas”.  

Portanto, cuidemos de nossas crianças com carinho e responsabilidade como se tivéssemos cuidando de nós mesmos. 

Que a felicidade, de fato, às alcance no Brasil e no mundo. Viva as crianças!

“Coisas do Cotidiano”

Em “Coisas do Cotidiano”, o escritor, poeta e graduando em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Antoniomar Lima, visa percorrer “esse espaço fronteiriço, entre a grandeza da história e a leveza atribuída à vida cotidiana.”

Laudate Dominum

Deixar Um Comentário