6ª Reunião da Câmara de Ouro Preto 2024
Clique play e assista

Prosa na Janela: Leia “Era tanto amor”, por Roberto dos Santos

Home » Prosa na Janela: Leia “Era tanto amor”, por Roberto dos Santos
Por Roberto dos Santos Publicado em 24/04/2023, 10:20 - Atualizado em 24/04/2023, 10:20
Roberto Santos, 49 anos, nascido em Dores de Guanhães, chegou ao Distrito Ouro-pretano de Antonio Pereira em 1979. É porteiro na Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP e tem uma sensibilidade peculiar na apresentação de seus textos. É casado com Márcia, que é a aguerrida diretora da Escola Municipal Alfredo Baeta e têm o filho Antônio, de 15 anos. Siga no Google News

Cassiano amava Celeste, mas tinha momentos que ela achava que ele exagerava nas palavras.

Falava de amor com tanta ênfase, que beirava o inacreditável.

De tanto Amor Cassiano não media palavras e dizia o que sentia sem se preocupar com o impacto de suas alocuções, sem temor no que pudessem pensar dele.

Abria o coração e exprimia, as vezes em tom poético, as mais belas palavras de amor.

Celeste também amava Cassiano, e as palavras que ele dizia, eram tão profundas que as vezes ela pressupunha certo exagero.

O diálogo a seguir demonstra que Celeste tinha certa razão em pensar assim, porém Cassiano estava sendo verdadeiro no que dizia.

— Você é linda!

Dizia Cassiano todos os dias para Celeste.

— Obrigado, mas eu não me acho linda!

Foi a resposta de Celeste para Cassiano.

Mas ele sem demora tratou de convencê-la de que ela era linda e disse:

— Permita-me discordar de você. Sei que os parâmetros no qual se baseia está pautado nas convenções estabelecidas pela sociedade. Mas eu não concordo com esses parâmetros, e prefiro o ser humano na sua essência.

Celeste apenas sorriu sem interromper Cassiano.

— Na primeira vez que eu te vi, o meu coração bateu muito forte e foi exclusivamente por causa de você. O meu olhar se alegrou quando encontrou o seu, o meu cérebro instantaneamente bombardeou o meu corpo com as mais variadas sensações. E uma dessas emoções foi o imenso desejo de abraçá-la. Eu ainda nem tinha te abraçado e já me sentia feliz. Você estava linda, linda.

E dessa vez Celeste o interrompeu dizendo:

— Mas eu usava apenas uma bermuda surrada e uma blusinha simples, quando regava as plantinhas do meu jardim! Dia em que nos vimos pela primeira vez.

Cassiano disse:

— O certo é que você não precisa de roupas finas para ser linda, aliás, nem roupas finas, nem as mais singelas vestes, a beleza que naturalmente envolve todo o seu ser é tão primorosa que deixa tudo a sua volta deslumbrante, inclusive a roupa que veste.

Por causa dessas palavras efusivas proferidas por Cassiano que Celeste achava que ele exagerava nos vocábulos. Mas ele estava na verdade era se expressando com todo o seu ardor e amor por ela.

— Ah como você é linda!

Repetiu Cassiano mais uma vez.

— Desde o primeiro encontro, que na verdade não foi exatamente um encontro, mas a visão de uma flor entre as flores regando seu jardim, que fiquei encantado e não mais te esqueci.

Uma flor mulher dona de um olhar belíssimo, que por alguns segundos me paralisou, me deixou sem ar. Eu sabia que tinha muito mais naquele olhar que vez por outra era visto através da armação e lentes de um óculos que se moldava perfeitamente aos contornos do seu rosto. Em sintonia com seu olhar estava um sorriso lindo, bobo, gostoso, perfeito, daqueles que dá para fazer uma viagem.

Sua voz acariciava meus ouvidos como uma linda canção de amor.

Celeste não dizia nada, só ouvia Cassiano falar.

As palavras afáveis e doces traziam-lhe emoções. Ele era profundo no seu discurso, e ela se sentia uma rainha.

Cassiano falou dos lindos cabelos castanhos, do jeito gostoso de andar, e da meiguice do seu existir.

Depois de falar tudo isso para Celeste, ela o abraçou com toda a ternura de seu ser, Cassiano falou ao pé do ouvido do amor que sentia e do quanto ela significava para ele.

Celeste chorou silenciosamente, e as lágrimas que brotaram de sua face umedeceram os ombros de Cassiano e foram absorvidas pelos seus microporos e como que energizadas foram envolvendo todo o seu corpo numa atmosfera de amor.  

Celeste então sentiu que Cassiano era mesmo um homem sensível e seus “exageros” eram seus sentimentos aflorados, expressos em atos de amor.

E Cassiano conseguiu convencer Celeste de que ela era linda, e ainda reforçou os laços de amor entre os dois.

Seguiram juntos vivendo o amor que nasceu de um olhar, que cresceu tanto que não mais cabia dentro dos seus corações.

A beleza notória no semblante de Celeste, era a explosão do amor que sentia e que passou a ser visto também na face de Cassiano, isso porque Celeste também passou dizer todos os dias que o amava.

E as palavras de Cassiano antes tidas como exageros, não eram mais interpretadas assim. Ela já se sentia linda como acostumara a ouvir dele constantemente.

E contagiada por tanto amor passou a amar sem medida, ficou mais segura de si e certa de que o amor é o mais belo dos sentimentos.

2 Comments

  1. Wanderléia 24/04/2023 em 11:34- Responder

    perfeito texto ,verdade o amor o mais Belo sentimento essência de Deus

  2. Pedro Rodrigues 30/04/2023 em 19:07- Responder

    Lindo e sentido texto. É notório que o seu amor pela escrita é um “Amor Cassiano”.
    Os meus parabéns.

Deixar Um Comentário